Acordo encerra processo judicial entre MTG e narrador

  • 16/04/2021
  • 0 Comentário(s)

Acordo encerra processo judicial entre MTG e narrador

Um acordo judicial amigável pôs fim a uma disputa judicial entre o narrador de rodeios Éder Azeredo e o Movimento Tradicionalista Gaúcho. Excluído do Departamento de Narradores por ter atuado em rodeios de entidades não filiadas ao movimento, o que era vedado pelo regimento, Azeredo ingressou na justiça, em 2015, com duas ações requerendo a ilegalidade da norma e para ser reintegrado aos quadros do departamento. Ele obteve, na época, liminar favorável para seguir trabalhando em eventos de entidades filiadas.

Com o fim do artigo que estabelecia a exclusividade de atuação dos narradores em eventos de entidades filiadas, decidido em Assembleia, a assessoria jurídica do MTG procurou um acordo para encerrar com o processo. "No referido acordo – que foi homologado pelo juízo - o MTG não teve nenhum ônus financeiro, nem de custas processuais e honorários e nem, tampouco, de condenação por eventuais antijuridicidades cometidas no passado", explica o assessor jurídico do movimento, Maurício Bastos de Freitas.
Para o vice-presidente Campeiro do MTG, Adriano Pacheco, o acordo simboliza uma gestão que busca o diálogo, a conciliação e o respeito em vez dos embates e das punições, muitas vezes, vistas como exageradas pelo olhar da sociedade. E mostra o respeito que o movimento possui por entidades que oferecem oportunidade de trabalho digno a diversos narradores. "Esperemos que esse seja o último processo aberto contra o MTG. Queremos o diálogo e amizade, em vez de disputas judiciais que interessam a poucas pessoas, e não ao coletivo do tradicionalismo organizado", observa Adriano.
Entrevistas para imprensa com vice-presidente Campeiro do MTG, Adriano Pacheco (51) 9 9717-4548
Foto: Arquivo pessoal

#Compartilhe

0 Comentários


Deixe seu comentário








Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes